2018 - Ilta Sanomat - "Os papéis são claros"

Escrito por Julia . Posted in Entrevistas

O calendário de Tarja Turunen às vezes é tão cheio que mesmo as pessoas próximas a ela ficam assustadas. Quando a artista está na estrada, o esposo dela fica responsável pela vida familiar.

“Minha cabeça ainda não está no lugar, mas amo voltar quando minha família e o sol estão aqui para me receber”, diz Tarja Turunen, 41 anos, responde sorrindo, pelo telefone, sob o sol da Andalusia. Até a risada dela é perfeitamente afinada.

Uma das cantoras mais bem sucedidas da Finlândia, especialmente no exterior, Tarja Turunen voltou de uma longa tour pela Europa um dia antes desta entrevista. Nos dias que seguem, ela fará a Raskasta Joulua tour, da qual ela participou pela primeira vez no ano passado.

A tour conta com grandes nomes do metal: Joe Lynn Turner, Dee Snider e Elize Ryd, para citar alguns. Alguns são bons amigos Tarja. 15 shows. A agenda ainda nos dá dois dias de folga, brinca Tarja.

“Fiquei feliz quando ouvi que Joe Lynn Turner estará conosco. Ele e sua esposa são amigos próximos nossos. Eles nos visitaram pela primeira vez quando ainda vivíamos em Buenos Aires.”

A vida de uma artista em turnê é corrida, mas Tarja diz que encontra os colegas sempre que possível.

“Isso aconteceu nas vezes em que estávamos fazendo shows nos mesmos lugares. Ele estava cantando em Seville, então tentamos fazer nossas agendas baterem, mas não deu muito certo; então é maravilhoso estar junto a ele no palco.”

Tarja e sua família mudaram recentemente para a Espanha. A mudança aconteceu do Caribe, antes disso, a família dela vivia em Buenos Aires. Mudar para a Espanha diminuiu as viagens da finlandesa significativamente.

A família alugou, provisoriamente, um apartamento na Espanha; este natal será o primeiro na nova casa no país. A organização do natal geralmente é feita pelo esposo de Tarja, Marcelo Cabuli, porque a tour que termina na Hartwall Arena a manterá longe de casa durante boa parte de dezembro. Mesmo que Tarja tenha vivido no exterior por mais de dez anos, ela passa o natal com a família, de modo muito tradicional.

“Teremos um natal bem tradicional, com Karelian pasties, rutabaga casserole e sauna natalina”, ela diz.

O pai de Tarja e os pais de Marcelo voarão para a Espanha no natal.

“Haverá muitas pessoas para assar o presunto, não preciso fazer isso por conta própria”, diz Tarja enquanto ri e conta que o lado América do Sul da família está familiarizado com as tradições finlandesas natalinas.

A artista revela que sua filha de seis anos, Naomi, ainda acredita no papai Noel, ou ao menos finge. Uma visita do velhinho não será fácil de arranjar, porque encontrar um que fale finlandês na Espanha não é fácil.

“Eu deveria começar a fazer algumas ligações para Fuengirola”, brinca Tarja e cai na risada.

A mãe de Tarja faleceu quando a artista tinha 20 e poucos anos. No natal, ela faz com a filha coisas que ela lembra ter feito com a mãe. Naomi ajuda na cozinha e em outras coisas para o natal.

“Ela é uma garota muito feliz, sempre ajuda com tudo. Nós sempre nos divertimos, isso reflete o relacionamento que tive com minha mãe. Sempre tivemos uma relação próxima, como unha e carne”, ela relembra.

Tarja fica séria por um tempo, enquanto lembra como o mundo mudou, assim como as gerações. A mudança entre a vida de seus pais e avós é grande.

“É muito interessante como a vida nos transforma. Estamos em um turbilhão de mudanças, é empolgante ver o que espera nossas crianças.”

Também houve mudanças na casa Turunen-Cabuli, que não tem nada de tradicional. Marcelo é responsável tanto pelo natal quanto por cuidar da casa quando Tarja está em turnê.

“Eu viajo muito, o que me mantém longe de pessoas queridas, especialmente quando vou para longe, na América ou Ásia, onde a família não pode ir passar o final de semana.”

“É maravilhoso para mim ver o tipo de conexão que meu esposo tem com nossa filha. Não penso nem por um segundo que eles estão, de alguma forma, sofrendo com o fato de que a mamãe não está presente. Eles tem suas próprias coisas.” Diz Tarja, sorrindo.

Combinar as turnês com a família foi um novo desafio quando Naomi começou a frequentar a escola, há um ano. Ela estuda em uma escola internacional, na qual o ensino é em inglês. A ávida estudante já fala três línguas fluentemente.

“Eu falo com ela em finlandês e Marcelo, em espanhol. Ela esteve em turnê conosco por muitos anos, e a língua comum era inglês. Esta é claramente a língua com a qual ela está mais familiarizada”, diz a orgulhosa mãe.

“Nós agora tentamos organizar as turnês de forma que a Naomi possa me visitar nas pausas escolares. Na recente turnê europeia, eles estavam juntos durante alguns finais de semana. Dessa forma, a saudade não é tão grande.”

Tarja diz que acredita fortemente que se um relacionamento é saudável e os elementos básicos estão bem, ele pode sobreviver à distância.

“Tenho o mesmo parceiro no crime há dezoito anos. Fizemos isso juntos todo o tempo”, Tarja explica.

“É o amor pelo trabalho e pela música que nos aproxima. Eu posso me apoiar no Marcelo, eu preciso disso. Posso deixar as responsabilidades na mão dele e sei que ele dá conta.”

Trabalho e música ocupam um grande espaço na vida diária da família. O trabalho nunca termina com a turnê ou quando é feito em casa, e Tarja não queria que assim o fosse. É importante que ela e o empresário-esposo Marcelo tenha seus próprios lugares no relacionamento.

“Os papéis são claros, e o trabalho continua em casa porque ele cuida da minha carreira, mas isso não causa nenhum estranhamento, porque gostamos dos nossos trabalhos.”

Fazer turnês é por si só difícil, sem mencionar o tempo longe da família. Às vezes, é preciso desligar a mente. Para Tarja, isso talvez aconteça durante uma corrida ou no período em que não está em turnê.

“Minha família às vezes fica assustada. Diz “Tarja, como você dá conta?” ou “pegue leve”. Mas eu amo meu trabalho. Sei que estou em uma posição privilegiada por poder fazer o que faço”, ela conclui.

Tradução finlandês-inglês: Tarja Turunen Suomi.